sábado, 13 de junho de 2009

Transfiguração

Queria ser tudo o que não fui, só pra saber:
que cor ficaria a cara dele, no tapa que não dei?
que gosto tinha o beijo que neguei?
que euforia seria a da alegria que não me permiti,
Eu odeio as reticências, mas não tem jeito, só elas sabem o que eu não sei...
Ah, o passo fora da linha que tive a ousadia de dar e a covardia de recuar. Tem vezes que escolho mal. Isso é fato.
Escolher mal é probabilidade e não destino, eu sei! Mas isso não me consola.
Eu tenho raiva do meu certo e errado e das tolices em que me prendo.
Será que consigo me salvar de mim?
Me admiro com minha capacidade de boicotar o destino, mesmo quando ele escolhe por mim e ele escolhe melhor do eu.
Ai, não satisfeita, eu levanto voz contra ele e sinto cada tristeza inútil...

Um comentário:

  1. mas que coisa mais linda eliene
    linda escritora tu és heim
    adorei

    beijos

    ResponderExcluir